sábado, 10 de julho de 2010

Preconceito irracional/Contra o Povo Nordestino



I
Essa corja de racistas
A dizer tantas asneiras
Festival de baboseiras
Coisas de neonazistas
Esses tais separatistas
De pensar tosco e suíno
Um falar porco e ferino
Coisa de débil mental
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
II
Tantas frases infelizes
Postam na comunidade
A beirar insanidade
Idiotas seus matizes
Ódio de torpes raízes
Levam ao triste destino
De nazista um figurino
Pois tem ódio racial
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
III
Nordestino que migrante
Construtor deste país
Povo que possui raiz
Por aí seguiu avante
Preconceito neste instante
Deste modo tão canino
Todo pústula eu defino
Por sujeito bestial
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
IV
Esse tosco preconceito
Irreal sem fundamento
Como falso pensamento
Mostrar um mental defeito
A causar tão triste efeito
Contra um povo peregrino
No trabalho um paladino
Pela glória nacional
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
V
Nordestino que migrou
Pra buscar melhores dias
Palmilhou nas rodovias
Desta terra que arribou
Noutras terras se firmou
Na cultura um grande tino
Povo forte e genuíno
Brasileiro e original
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
VI
Nordestinos têm cultura
Pela nacionalidade
Que possui a identidade
Tem também literatura
Preconceito não se atura
Todo grande desatino
Ao falar um verso assino
Meu repúdio visceral
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
VII
Preconceito de imbecis
Frases da ignorância
Prepotência e arrogância
De contornos torpes vis
Argumentos pueris
Como os quais não me afino
Com repúdio determino
Por saber coisa ilegal
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
VIII
O pensar dos idiotas
Julgam ser superiores
Tão senis todos pendores
A postar porcas lorotas
Pra ferrar essas patotas
Eu começo e não termino
No cordel aqui assino
Por meu povo fraternal
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
IX
Essa corja é prepotente
Tem visão de ignorante
Neste modo arrogante
Descabida é insolente
Desprezando nossa gente
Que é um povo lindo e fino
Seja Zé ou Severino
Nordestino é sem igual
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
X
Preconceito descabido
No ORKUT que nós vemos
A nojeira que nós lemos
Deixa um estarrecido
Todo triste acontecido
No cordel aqui rumino
Tem miolo de um girino
Essa corja tão boçal
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
XI
Deserdados pelas cheias
Fora sim achincalhados
Por um bando de malvados
Com palavras muito feias
Do bom senso perdem peias
Preconceito é assassino
Delinqüente mais ladino
Canalhice é colossal
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino
XII
Mas fedidos seus babacas
Nós não somos ó canalhas
As postagens tristes falhas
Dessa corja de panacas
Vou em vós fincar estacas
Deste verso que eu opino
Preconceito é do cretino
Decadente sem moral
Preconceito irracional
Contra o povo nordestino

Um comentário:

sandra camurça disse...

moço, esse cordel está mais atual que nunca!
um abraço