quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Poema musicado de Allan Sales

É só libido
(Allan Sales)

Tu és a Eva que eu achei sem paraíso
Não foi preciso nem serpente e a danação
O meu castigo foi viver no teu perigo
Ser condenado ao fogo ardente da paixão

Se foi serpente que soprou desejo ardente
Que de repente começou sem ter final
Teu remelexo foi feitiço em minha mente
Me despertando num desejo de animal

Fui condenado à prisão desse desejo
E num lampejo eu me vi tão doido assim
Impregnado feito odor de percevejo
Tanto desejo que jogou todo pra mim

Não quer usar não me agite nesse ensejo
Quando te vejo quero ter na minha mão
Teu corpo ardente tu és Eva e és serpente
Que endoida a gente como endoidou Adão

Não é pecado nem é fruto proibido
É só libido como Freud assim falou
Mas Doutor Freud um judeu muito sabido
Ficou perdido ao pensar que te explicou

Tanta conversa pra fazer canção bonita
Que foi escrita como a gente assim bem quer
Tanto desejo de repente põe na fita
Palavra dita pra ganhar essa mulher

Conversa mole de poeta é esquisita
Mas é bendita pois poeta bota fé
Se faz de doida de difícil essa cabrita
Ela me agita mas não me faz de Zé Mané.

Um comentário:

FRANCISCO disse...

CARO ALAN,

DESEJO SUCESSO E JUSTEZA DOS JURADOS NO FESTIVAL. ABRAÇO, XICO BIZERRA