sábado, 9 de novembro de 2013

Djavaneando em galope limeiriano.

Limeirianas djavânicas
(Allan Sales)
Eu vi açaí cantando azulzinho
Na tez manhã branquinha que vai
Alegre menina chupou samurai
Correu e falou assim pro benzinho
E caetaneando um muro branquinho
Cantei dju bjdu pro povo escutar
Na força do beijo no afã de cantar
Rajada de vento na tez da manhã
Fumei a metade que deu Djavan
Cantando galope na beira do mar

De tudo na terra achei no oceano
E quanto querer no ouro de mina
Capim mandioca da alegre menina
Lambada e serpente chamei Caetano
Um lobo correndo lançando meu mano
Tomando assento poeira a fungar
Me traz uma praga e vem me afagar
Se não me afaga estraga essa pele
Djavaneando não me abufele
Cantando galope na beira do mar

Do que mais brotou nem deu margarida
Berlim foi no Kremlin buscar um açaí
Amor que atrai não tô nem aí
O que vem de deus azul nesta vida
Mansinho cedinho num ar de partida
Amor azulzinho pro pau levantar
E pra ler um livro não acho lugar
Tomei açaí e viagra azulzinho
Na vara na beira chamei meu benzinho
Cantando galope na beira do mar

5 comentários:

Versos diversos disse...

Quando deixarão de perseguir a cultura popular? quando?.

Essa carta enviei ao Prefeito de Salvador em Dezembro de 2013:

Carta para ACM neto
Carlos Silva Prezado amigo, faça circular essa carta que acabei de postar na página do Prefeito ACM NETO.

Exmo.Sr.Prefeito, Antonio Carlos Magalhães Neto por favor. Em respeito á cultura secular do cordel,por amor á cultura Baiana e Brasileira, Não retire da praça Cairú a Banca de cordel, pois lá é um ponto de referencia de encontro de todos os nossos poetas e cantadores da Cultura popular, Vamos fazer uma gestão que seja do agrado de todos. A poesia de cordel está sendo vista como uma revolução na educação.Participei do Seminário do cordel na UNEB - Campus Uneb De Irecê, e este setor acadêmico da Bahia teve como tese nos três dias de seminário , a literatura de cordel.

Reveja essa situação, e informe-se mais sobre essa nossa riqueza cultural admirada no mundo inteiro. SALVADOR SERIA A PRIMEIRA CAPITAL DO BRASIL, A PERSEGUIR A CULTURA POPULAR E SEUS ARTISTAS, COM A HISTÓRICA IMPORTÂNCIA QUE ELA TEM PARA O RESTO DO PAIS E DO MUNDO?
Espero que o Sr.aja de bom senso e não se deixe levar por alguns que acham que a poesia de cordel, o artista popular, não tem importância cultural para o nosso Estado.

Carlos Silva - poeta e cantador, da VILA DE ITAMIRA, município de Aporá,-Litoral norte da Bahia, escrevo em nome de todos os poetas da oralidade escrita e cantada da nossa poesia da Bahia.(75-3448-1159)

Eis aqui, alguns dos defensores da nossa arte de cordel na Bahia.

Vejam só nobres amigos
O Meu discurso afinal
Pra defender o cordel
A cultura e coisa e tal
Botarei nome na lista
Pra eleger um cordelista
Pra deputado estadual

Resultado?
A banca foi retirada, e não existe previsão se vão arrumar um local devidamente apropriado para exposições dos livretos de tantos cordelistas.
Itamira, 05 de Fevereiro de 2014

Anônimo disse...

Quando deixarão de perseguir a cultura popular? quando?.

Essa carta enviei ao Prefeito de Salvador em Dezembro de 2013:

Carta para ACM neto
Carlos Silva Prezado amigo, faça circular essa carta que acabei de postar na página do Prefeito ACM NETO.

Exmo.Sr.Prefeito, Antonio Carlos Magalhães Neto por favor. Em respeito á cultura secular do cordel,por amor á cultura Baiana e Brasileira, Não retire da praça Cairú a Banca de cordel, pois lá é um ponto de referencia de encontro de todos os nossos poetas e cantadores da Cultura popular, Vamos fazer uma gestão que seja do agrado de todos. A poesia de cordel está sendo vista como uma revolução na educação.Participei do Seminário do cordel na UNEB - Campus Uneb De Irecê, e este setor acadêmico da Bahia teve como tese nos três dias de seminário , a literatura de cordel.

Reveja essa situação, e informe-se mais sobre essa nossa riqueza cultural admirada no mundo inteiro. SALVADOR SERIA A PRIMEIRA CAPITAL DO BRASIL, A PERSEGUIR A CULTURA POPULAR E SEUS ARTISTAS, COM A HISTÓRICA IMPORTÂNCIA QUE ELA TEM PARA O RESTO DO PAIS E DO MUNDO?
Espero que o Sr.aja de bom senso e não se deixe levar por alguns que acham que a poesia de cordel, o artista popular, não tem importância cultural para o nosso Estado.

Carlos Silva - poeta e cantador, da VILA DE ITAMIRA, município de Aporá,-Litoral norte da Bahia, escrevo em nome de todos os poetas da oralidade escrita e cantada da nossa poesia da Bahia.(75-3448-1159)

Eis aqui, alguns dos defensores da nossa arte de cordel na Bahia.

Vejam só nobres amigos
O Meu discurso afinal
Pra defender o cordel
A cultura e coisa e tal
Botarei nome na lista
Pra eleger um cordelista
Pra deputado estadual

Resultado?
A banca foi retirada, e não existe previsão se vão arrumar um local devidamente apropriado para exposições dos livretos de tantos cordelistas.
Itamira, 05 de Fevereiro de 2014

Anônimo disse...

Quando deixarão de perseguir a cultura popular? quando?.

Essa carta enviei ao Prefeito de Salvador em Dezembro de 2013:

Carta para ACM neto
Carlos Silva Prezado amigo, faça circular essa carta que acabei de postar na página do Prefeito ACM NETO.

Exmo.Sr.Prefeito, Antonio Carlos Magalhães Neto por favor. Em respeito á cultura secular do cordel,por amor á cultura Baiana e Brasileira, Não retire da praça Cairú a Banca de cordel, pois lá é um ponto de referencia de encontro de todos os nossos poetas e cantadores da Cultura popular, Vamos fazer uma gestão que seja do agrado de todos. A poesia de cordel está sendo vista como uma revolução na educação.Participei do Seminário do cordel na UNEB - Campus Uneb De Irecê, e este setor acadêmico da Bahia teve como tese nos três dias de seminário , a literatura de cordel.

Reveja essa situação, e informe-se mais sobre essa nossa riqueza cultural admirada no mundo inteiro. SALVADOR SERIA A PRIMEIRA CAPITAL DO BRASIL, A PERSEGUIR A CULTURA POPULAR E SEUS ARTISTAS, COM A HISTÓRICA IMPORTÂNCIA QUE ELA TEM PARA O RESTO DO PAIS E DO MUNDO?
Espero que o Sr.aja de bom senso e não se deixe levar por alguns que acham que a poesia de cordel, o artista popular, não tem importância cultural para o nosso Estado.

Carlos Silva - poeta e cantador, da VILA DE ITAMIRA, município de Aporá,-Litoral norte da Bahia, escrevo em nome de todos os poetas da oralidade escrita e cantada da nossa poesia da Bahia.(75-3448-1159)

Eis aqui, alguns dos defensores da nossa arte de cordel na Bahia.

Vejam só nobres amigos
O Meu discurso afinal
Pra defender o cordel
A cultura e coisa e tal
Botarei nome na lista
Pra eleger um cordelista
Pra deputado estadual

Resultado?
A banca foi retirada, e não existe previsão se vão arrumar um local devidamente apropriado para exposições dos livretos de tantos cordelistas.
Itamira, 05 de Fevereiro de 2014

Silenciosamente ouvindo... disse...

Um gosto ter chegado ao seu blogue onde já me registei.
Gosto muito de poesia.
Voltarei sempre que possa.
Um abraço
Irene Alves

DEYSIANE PONTES disse...

Prezado Alan Sales,

Gostaríamos de solicitar, gentilmente, proposta de orçamento para elaboração de um livreto de cordel para o 5º Congresso Internacional Marista de Educação.

O cordel deve ter em seu texto contemplado a história do Instituto Marista no mundo e no Brasil, a história dos 4 congressos já realizados e o 5º congresso (foco no três homenageados Paulo Freire, Ariano Suassuna e Rubem Alves).

Você poderia nos indicar quem faz xilogravura?

Agradecemos, antecipadamente, o retorno.

Atenciosamente,